Palavra do Comodoro
DSC_0545 ALTA

Há quem não acredite em coincidências. Alguns, céticos, duvidam de que possa haver qualquer relação entre dois ou mais fatos desconexos por natureza; outros, ao contrário, encontram significados ocultos em quaisquer acontecimentos, justificando o determinismo do “tinha que acontecer”!
Sem opinar sobre quem tem razão, a verdade é que minha vida no Iate Clube de Santos é pontuada de coincidências.
Ao assinar esse texto, que abre o livro comemorativo dos 70 anos de fundação, me dei conta de que faz exatos 40 anos que me tornei associado do clube. De certa forma, aniversariamos juntos…
Em 2007, ano do 60º aniversário, estávamos – já eu então no cargo de comodoro – em negociação com a diretoria do São Paulo Club para a fusão entre as instituições e a mudança de nossa sede administrativa para o histórico palacete de Dona Veridiana Prado. Ao preparar os papéis relativos à transição, o endereço da futura sede, Avenida Higienópolis, 18, despertou uma lembrança que não identificamos na hora. Dias depois, em uma espécie de feliz epifania, desvendou-se a maior coincidência dessa história de sete décadas: ali, naquele mesmo palacete que passava a integrar o patrimônio do clube, havia sido lavrada, em 1947, a ata de fundação do Iate Clube de Santos.
Peço perdão aos céticos ao afirmar que, para nós, aquela “volta para casa” só podia ser um forte sinal de bons augúrios. De bons ventos, céus de brigadeiro e mares de almirante…
Em busca de águas calmas para abrigar seus barcos, nossos fundadores foram além; criaram uma instituição ímpar no panorama náutico do país.
E hoje, quando contamos com três belas sedes náuticas e uma joia arquitetônica na região central de São Paulo, temos certeza de que estamos honrando a memória daquele grupo de apaixonados pelo mar. Foram eles que nos deram as coordenas desta rota de respeito à mentalidade marinheira e de esforço contínuo para aprimorar os serviços oferecidos aos nossos associados.
Sinto-me privilegiado por fazer parte desta comemoração; e de oferecer aos associados, amigos e à comunidade náutica em geral esse livro que vai, sem dúvida, despertar boas lembranças.

Berardino Antonio Fanganiello

Comodoro

Texto publicado na abertura do livro “Iate Clube de Santos 1947 – 2017”